ENTREGA RÁPIDA E SEGURA

Entrega para todo o país

MELHORES PREÇOS

Tudo para deixar o conforto ao seu alcance

COMPRE PELO TELEFONE

19-3037.6890 (Seg-Sex 09h-12h30 | 13h30-18h) *Exceto Feriados

CHAME NO WHATS
19-99640.2596

Carrinho
item - R$0,00

Você não possui itens no carrinho de compras.

Subtotal
R$0,00

+ Saúde - Veja porque não conseguimos evitar o bocejo

Por que bocejamos, mesmo sem estarmos cansados, quando alguém próximo a nós boceja? Um estudo britânico publicado na revista científica "Current Biology" explica o fenômeno e garante que a capacidade de resistir a esse estímulo involuntário é bastante limitada.

Segundo pesquisadores da Universidade de Nottingham, na Inglaterra, a propensão humana para o chamado bocejo contagioso é desencadeada automaticamente por reflexos primitivos no córtex motor primário --uma área do cérebro responsável pela função motora.

Tentar resistir ao bocejo, de acordo com os cientistas, só tende a intensificar o desejo. O máximo que pode acontecer com esse sufocamento são mudanças na forma como bocejamos.

O bocejo contagioso é desencadeado quando observamos que outra pessoa boceja, como explica o estudo. É uma forma comum de imitação automática, o que não é uma exclusividade dos seres humanos. Os chimpanzés e os cães, como identificaram os pesquisadores, também fazem isso.

Para testar a ligação entre a excitabilidade e a base neural para o bocejo contagioso, a equipe inglesa usou a estimulação magnética transcraniana (TMS). Eles recrutaram 36 adultos, que viram videoclipes mostrando outras pessoas bocejando. Ora eles eram instruídos a resistir ao bocejo ora a seguir ao estímulo.

O estudo ajuda a entender o aumento da excitabilidade do cérebro e/ou diminuição da inibição fisiológica, que também se repete em condições clínicas, como a epilepsia, demência, autismo e síndrome de Tourette.

"Se pudermos entender como as alterações na excitabilidade do cérebro dão origem a distúrbios neurais, podemos potencialmente reverter algumas doenças. Estamos buscando possíveis tratamentos personalizados, não tratados com drogas, usando TMS", afirma Stephen Jackson, professor de Neurociência Cognitiva, que liderou o estudo.

 

Fonte: Uol.com.br